Produção… Cadê o glamour?


Não, eu não vim aqui para contar a historia de vida de uma mulher repleta de sexo, drogas e rock n’roll.

 

Afinal, que produtor tem lá “vida” quando está prestes a estrear um espetáculo? Quando está no meio de uma turnê pelo Brasil? Ou ainda, quando está resolvendo pendências de uma prestação de contas?

 

Sinta-se feliz se conseguir ir ao banheiro quando a vontade vier ou ainda comer uma refeição tranquila, sem interrupções, alertas ou chamadas telefônicas.

 

Isso sim é glamour.

 

Pode não parecer, mas na vida de um produtor cultural, glamour é quando você consegue apoio de um hotel ou restaurante legal. E by the way, se você for um bom produtor, terá dinheiro para se hospedar neste mesmo hotel quando quiser ou ainda jantar neste restaurante sem ter que convencer alguém do elenco ou equipe de que seria legal ao menos pagar os 10% para o garçom que os atendeu.

 

Ok, não sejamos tão negativos.

 

O glamour está justamente no fato de que trabalhamos com o imaginário, com o encantamento, com a transformação que nossos projetos são capazes de proporcionar às pessoas. É por isso que você decidiu seguir esta carreira e é certamente disso que vai se lembrar sempre que ouvir os aplausos finais ou o feedback do público.

 

Isso sim é o verdadeiro glamour. E esse tipo de glamour tem de sobra.

 

Se não é ele que você procura, dê meia volta e procure outra profissão. A produção cultural não foi feita pra você.

 

Para ser produtor é preciso gostar de trabalhar, ter uma dose extra de perseverança e amor.

 

Porque só mesmo o amor é capaz de fazer alguém sonhar em ser produtor cultural.

 

E vai ter dias em que você vai precisar de amor de sobra pra não achar que fez a escolha de carreira errada.

 

Esta é a primeira parte do eBook Confissões de uma produtora cultural‘. Nele, conto 30 confissões que se passaram comigo ao longo de boa parte de minha carreira como produtora cultural.

 

São causos que divertem, fazem rir, chorar, mas, acima de tudo, ensinam muito sobre produção cultural. Porque, você sabe, por mais que a gente estude, a experiência vem na prática.

 

No eBook ‘Confissões de uma produtora cultural eu conto sobre quando menti pra polícia, quando quis arrombar uma lavanderia, quando não permiti que um avião decolasse… e também sobre momentos em que chorei de doer a barriga quando o cenário quebrou em cena ou de emoção quando vi uma menina surda e cega em minha plateia tendo acesso a libras tátil.

 

Garanto que é leitura obrigatória para quem sonha com a carreira de PRODUTOR CULTURAL.