Quem eu sou

Gestora cultural, escritora, autora e turismóloga…

Peraí. Eu não disse que era artista? Nada de curriculum vitae!

Aqui vai a história real!

Minha infância foi cadenciada pelo fechar e abrir de malas feitas e desfeitas por meus pais, comissários de bordo da extinta VARIG. Durante sua ausência, era nos livros que eu buscava companhia para minha solidão. Aos poucos, comecei a escrever o que sentia em diários com pequenos cadeados dourados. Naquelas páginas descobri que podia escrever os sentimentos que não falava para ninguém. Ser uma escritora tornou-se o meu destino.

Se por um lado, eu cresci mostrando a imagem de uma mulher forte e independente, era nos meus textos que colocava toda a fragilidade que havia em mim.

Quando tinha oito anos, escrevi o livro “A vaca voadora“. Acho que só meus pais foram capazes de lê-lo, mas a verdade é que tenho ele até hoje comigo. E o mais legal é que eu escrevi, editei, diagramei e ainda desenhei uma vaca com asas na capa!

Na hora de escolher o que estudar, acabei indo para Comunicação. Felizmente, eu acho que meio que acertei. Trabalhei em agência de publicidade, em ONG, em varejo, em site… fiz um pouco de tudo. E um anúncio no jornal me fez participar do mais longo processo seletivo da história. Acabei indo trabalhar na TV Globo… e virei produtora!

Lá, começa minha conexão com o empreendedorismo criativo. Enquanto fazia um curso de roteiro para cinema e TV (e trabalhava na Globo), uma atriz que me chamou para produzir uma peça de teatro com ela. Eu nunca tinha trabalhado com teatro antes… e amei a experiência. Dali, acabei recebendo outro convite de um diretor para fazer uma turnê de teatro. Conheci o Brasil inteiro, vi fantasmas em teatros centenários e a produção não me largou mais.

Mas e a escritora?

Em 2013, depois de dez anos escrevendo, lancei meu primeiro livro de ficção “Uma janela para nove irmãos” baseado na história de minha família na cidade de Gramado, Rio Grande do Sul. No ano seguinte estreei o espetáculo de teatro infantil “O príncipe dos porquês”, onde assinei roteiro e produção e lancei o livro homônimo.

Neste mesmo ano, como para preencher as lacunas da minha infância, fui passar um período no Canadá pela primeira vez e me apaixonei (mesmo quando faz – 40 no inverno). Nesta ponte aérea entre Brasil e Canadá, ajudo artistas do mundo inteiro a viver se sua arte… enquanto faço arte também!

Mas essa parte da história você já pode acompanhar junto comigo! :)

Aliás, você também pode fazer parte dela!