“Faça boa arte” – o discurso de Neil Gaiman que você precisa conhecer hoje!

O que todo artista precisa saber…

 

Em 17 de maio de 2012, o escritor Neil Gaiman subiu ao palco para realizar um discurso aos  formandos da University of the Arts, na Filadelfia, Estados Unidos.

 

Gaiman deu conselhos memoráveis que todo artista deve conhecer.

 

Confira abaixo o discurso em vídeo.

 

Você pode ativar as legendas em português ou ler a transcrição, logo abaixo.

 

Faça boa arte!

 

Discurso transcrito em português

 

Eu nunca realmente esperei me encontrar dando conselhos para pessoas se graduando em um estabelecimento de ensino superior. Eu nunca me graduei em um desses estabelecimentos. E nunca nem comecei um. Eu escapei da escola assim que pude, quando a perspectiva de mais quatro anos de aprendizados forçados antes que eu pudesse me tornar o escritor que desejava ser era sufocante.

 

Eu saí para o mundo, eu escrevi, eu me tornei um escritor melhor na medida em que escrevia mais, e eu escrevi um pouco mais, e ninguém nunca parecia se importar que eu estava inventando as coisas à medida que prosseguia, eles simplesmente liam o que eu escrevia e pagavam por isso, ou não, e frequentemente eles me encomendavam alguma outra coisa pra eles.

 

O que me deixou com um saudável respeito e admiração pela educação superior do quais meus amigos e familiares, que frequentaram universidades, se curaram há muito tempo atrás.

 

Olhando para trás, eu trilhei uma caminhada memorável. Não tenho certeza de que posso chamá-la de uma carreira, porque uma carreira implica que eu tivesse algum tipo de plano de carreira, e eu nunca tive. A coisa mais próxima que tive foi uma lista que fiz quando tinha 15 anos com tudo que eu queria fazer: escrever um romance para adultos, um livro infantil, uma revista em quadrinhos, um filme, gravar um audiobook, escrever um episódio de Dr. Who… e assim por diante. Eu não tive uma carreira. Eu simplesmente fui fazendo a próxima coisa da lista.

 

Então pensei em contar para vocês tudo que eu gostaria de saber de saída, e algumas coisas que, olhando para trás pra isso, suponho que eu sabia. E também em dar o melhor conselho que já recebi, o qual falhei completamente em seguir.

 

O primeiro de todos: quando você começa em uma carreira nas artes você não tem ideia do que está fazendo.

 

Isso é ótimo. As pessoas que sabem o que estão fazendo conhecem as regras, e sabem o que é possível e o que é impossível. Vocês não. E vocês não devem. As regras sobre o que é possível e impossível nas artes foram feitas por pessoas que não tinham testado os limites do possível indo além deles. E vocês podem.

 

Se vocês não sabem que é impossível é mais fácil fazer. E porque ninguém fez antes, não inventaram regras para evitar que alguém faça de novo, ainda.

 

Em segundo, se você tem uma ideia do que você quer fazer, sobre o que você foi colocado aqui para fazer, então simplesmente vá e faça aquilo.

 

E isso é muito mais difícil do que parece e, algumas vezes, no fim, muito mais fácil do que você poderia imaginar.

 

Porque normalmente, há coisas que você precisa fazer antes de que você possa chegar aonde quer estar. Eu queria escrever quadrinhos e romances e histórias e filmes, então me tornei um jornalista, porque jornalistas têm permissão para fazer perguntas, e para simplesmente ir adiante e descobrir como o mundo funciona, e, além disso, para fazer essas coisas eu precisaria escrever e escrever bem, e eu estava sendo pago para aprender como escrever economicamente, claramente, às vezes em condições adversas, e em tempo.

 

Algumas vezes o caminho para fazer o que você espera fazer estará claramente delineado; e às vezes será quase impossível decidir se você estará ou não fazendo a coisa certa, porque você terá de balancear suas metas e esperanças, e alimentar-se, pagar as contas, encontrar trabalho, e se adequar ao que pode encontrar.

 

Uma coisa que funcionou para mim foi imaginar que onde eu gostaria de estar – um autor, principalmente de ficção, fazendo bons livros, fazendo bons quadrinhos e me mantendo através de minhas palavras – era uma montanha. Uma montanha distante. Minha meta.

 

E eu sabia que enquanto eu me mantivesse andando em direção à montanha eu estaria bem. E quando eu verdadeiramente não estava certo acerca do que fazer, eu podia parar, e pensar se aquilo estava me levando em direção à montanha ou me afastando dela. Eu disse não para trabalhos editoriais em revistas, trabalhos adequados que teriam pago um dinheiro respeitável porque eu sabia que, por mais atrativos que fossem, para mim eles estariam me deixando mais distante da montanha. E se essas ofertas tivessem aparecido mais cedo talvez as tivesse aceito, porque elas ainda me deixariam mais perto da montanha do que eu estava à época.

 

Eu aprendi a escrever escrevendo. Eu tendia a fazer qualquer coisa conquanto que parecesse uma aventura, e a parar de fazê-la quando parecia trabalho, o que significou que a vida não se parecia com trabalho.

 

Em terceiro lugar, quando você começa, você precisa lidar com os problemas do fracasso. Vocês precisam ser osso duro de roer, precisam aprender que nem todo projeto sobreviverá. Uma vida como freelancer, uma vida nas artes, é muitas vezes como colocar mensagens em garrafas, em uma ilha deserta, e esperar que alguém encontre uma de suas garrafas, e a abra, leia, e coloque algo em outra garrafa que fará seu caminho de volta até você: apreço, ou uma encomenda, dinheiro, ou amor. E vocês têm de aceitar que vocês poderão lançar uma centena de coisas para cada garrafa que aparecerá retornando.

 

Os problemas do fracasso são problemas de desencorajamento, de desespero, de ansiedade. Você deseja que tudo aconteça e você quer que as coisas aconteçam agora, e as coisas dão errado. Meu primeiro livro – uma peça de jornalismo que tinha feito pelo dinheiro, e que já tinha me comprado uma máquina de escrever eletrônica do adiantamento – deveria ter sido um bestseller. Deveria ter me pagado muito dinheiro. Se a editora não tivesse involuntariamente ido à bancarrota entre a primeira impressão se esgotar e a segunda sair, e antes que quaisquer direitos pudessem ser pagos, ele teria me dado muito dinheiro.

 

E eu dei de ombros, e eu ainda minha máquina de escrever eletrônica e dinheiro o bastante para pagar o aluguel por um par de meses, e decidi que eu faria o meu melhor para no futuro não escrever livros apenas pelo dinheiro. Se você não ganha o dinheiro, então você não tem nada. Se eu fizesse um trabalho do qual me orgulhasse, e não ganhasse a grana, ao menos eu teria o trabalho.

 

De vez em quando, eu esqueço essa regra, e sempre que o faço, o universo me bate com força e me relembra dela.

 

Eu não sei se isso é um problema para mais alguém além de mim, mas é verdade que nada que eu fiz na qual a única razão para fazê-lo fosse o dinheiro jamais valeu a pena, exceto como amarga experiência. Normalmente nunca dei o trabalho por encerrado ao receber o dinheiro, por outro lado. As coisas que fiz porque estava empolgado, e queria vê-las existirem na realidade, nunca me decepcionaram, e eu nunca me arrependi do tempo gasto com nenhuma delas.

 

Os problemas do fracasso são difíceis.

 

Os problemas do sucesso podem ser ainda mais difíceis, porque ninguém lhes avisa sobre eles.

 

O primeiro problema de qualquer tipo de sucesso limitado é a convicção inabalável de que você está fugindo com algo, e de que a qualquer momento irão descobri-lo. É a Síndrome do Impostor, algo que minha esposa Amanda batizou de Polícia da Fraude.

 

Em meu caso, eu estava convencido de que haveria uma batida na porta, e um homem com uma prancheta (não sei por que ele carregava uma prancheta, em minha cabeça, mas ele carregava) estaria lá, para me dizer que estava tudo acabado, e eles me pegariam e agora eu teria de ir e conseguir um trabalho de verdade, algum que não consistisse de inventar coisas e escrevê-las, e ler livros que eu quisesse ler. E então eu partiria silenciosamente e pegaria o tipo de trabalho no qual você não tem de inventar mais coisas.

 

Os problemas do sucesso. Eles são reais, e com sorte vocês irão experienciá-los. O ponto em que você para de dizer sim pra tudo, porque agora as garrafas que você lança ao oceano estão todas voltando, e você precisa aprender a dizer não.

 

Eu observei meus pares, e meus amigos, e aqueles que eram mais velhos que eu e observei quão infelizes alguns deles se sentiam: eu os ouvi contar pra mim que eles não podiam encarar um mundo no qual eles não podiam mais fazer o que sempre quiseram fazer, porque agora eles tinham de ganhar uma certa quantidade de grana todo mês apenas para se manter onde estavam. Eles não podiam ir e fazer as coisas que importavam, e que realmente queriam fazer; e isso me pareceu uma tragédia tão grande quanto qualquer problema de fracasso.

 

E depois disso, o maior problema do sucesso é que o mundo conspira para que você pare de fazer o que você faz, porque você é famoso. Houve um dia em que olhei e me dei conta de que eu tinha me tornado alguém que profissionalmente respondia a e-mails, e escrevia como um hobby. Eu comecei a responder menos e-mails, e fiquei aliviado por perceber que estava escrevendo muito mais.

 

Em quarto, eu espero que vocês cometam erros. Se vocês estão cometendo erros, significa que vocês estão por aí fazendo algo. E os erros em si podem ser úteis. Uma vez escrevi Caroline errado, em uma carta, trocando o A e o O, e eu pensei, “Coraline parece um nome real…”

 

E lembrem-se que não importa a área em que estejam, se você é um músico ou um fotógrafo, um artista fino ou um cartunista, um escritor, um dançarino, um designer, o que quer que você faça, vocês têm algo que é único. Vocês têm a habilidade de fazer arte.

 

E para mim, e para muitas das pessoas que conheci, isso tem sido um salva-vidas. O salva-vidas definitivo. Ele lhe leva através dos bons momentos e pelos outros.

 

A vida as vezes é dura. As coisas dão errado, na vida e no amor e nos negócios e nas amizades e na saúde e em todos os outros modos que a vida pode dar errado. E quando as coisas ficam difíceis, isso é o que vocês devem fazer.

 

Façam boa arte.

 

Eu estou falando sério. O marido fugiu com uma política(o)? Faça boa arte. Perna esmagada e depois devorada por uma jibóia mutante? Faça boa arte. IR te rastreando? Faça boa arte. Gato explodiu? Faça boa arte. Alguém na internet pensa que o que você faz é estúpido ou mau ou já foi feito antes? Faça boa arte. Provavelmente as coisas se resolverão de algum modo, e eventualmente o tempo levará a dor mais aguda, mas isso não importa. Faça apenas o que você faz de melhor. Faça boa arte.

 

Faça-a nos dias bons também.

 

E, em quinto: enquanto estiverem nisso, façam a sua arte. Façam as coisas que só vocês podem fazer.

 

O impulso, começando, é copiar. E isso não é uma coisa ruim. A maioria de nós só descobre nossas próprias vozes depois de termos soado como um monte de outras pessoas. Mas uma coisa que você tem que ninguém mais tem é você. Sua voz, sua mente, sua estória, sua visão. Então escreva e desenhe e construa e toque e dance e viva como só você pode viver.

 

No momento em que você sentir que, possibilidade, você está andando na rua nu, expondo muito de seu coração e de sua mente e do que existe em seu interior, mostrando demais de si mesmo. Esse é o momento em que você pode estar começando a acertar.

 

As coisas que fiz que mais funcionaram foram as coisas das quais menos estava certo, as estórias as quais eu tinha certeza de que ou funcionariam, ou, mais provavelmente, seriam o tipo de fracasso embaraçoso que as pessoas se juntam para falar a respeito até o fim dos tempos. Elas sempre tiveram isso em comum: olhando para em retrospectiva para elas, as pessoas explicam porque foram sucessos inevitáveis. Enquanto as estava fazendo, eu não tinha ideia.

 

E ainda não tenho. E onde estaria a graça de fazer alguma coisa que você soubesse que iria funcionar?

 

E às vezes as coisas que fiz realmente não funcionaram. Há estórias minhas que nunca foram reimpressas. Algumas delas nunca sequer saíram da casa. Mas eu aprendi com elas tanto quando aprendi com as coisas que funcionaram.

 

Sexto. Eu passarei algum conhecimento secreto de freelancer. Conhecimento secreto é sempre bom. E é útil para qualquer um que alguma vez já planejou criar arte para outras pessoas, em entrar em um mundo de freelance de qualquer tipo. Eu aprendi isso com os quadrinhos, mas se aplica a outros campos também. E é isto:

 

As pessoas são contratadas porque, de algum modo, elas são contratadas. Em meu caso eu fiz algo que atualmente seria fácil de checar, e me colocaria em problemas, e quando eu comecei, naqueles dias pré-internet, parecia uma estratégia de carreira sensata: quando editores me perguntavam para quem eu já tinha trabalhado, eu mentia. Eu listei uma série de revistas que soavam razoáveis, e soei confiante, e consegui os empregos. Então transformei em uma questão de honra conseguir escrever algo para cada uma das revistas que eu listei para conseguir aquele primeiro emprego, de modo que eu não menti de fato, só fui cronologicamente desafiado… Você começa a trabalhar por qualquer maneira que comece a trabalhar.

 

As pessoas se mantêm trabalhando, em um mundo de freelances, e mais e mais do mundo de hoje é freelance, porque seu trabalho é bom, e porque são fáceis de conviver, e porque elas entregam o trabalho em tempo. E você nem precisa de todos os três. Dois em três está bem. As pessoas irão tolerar quão desagradável você é se seu trabalho for bom e você o entregar no prazo. Elas perdoarão o atraso do trabalho se ele for bom, e elas gostarem de você. E você não precisa ser tão bom quanto os outros se você é pontual e é sempre um prazer ouvi-lo(a).

 

Quando concordei em fazer este discurso, eu comecei tentando pensar em qual tinha sido o melhor conselho que já tinha recebido ao longo dos anos.

 

E ele veio do Stephen King, há vinte anos atrás, no auge do sucesso de Sandman. Eu estava escrevendo um quadrinho que as pessoas amavam e estavam levando a sério. King gostara de Sandman e de meu romance com Terry Pratchett, Belas Maldições (Good Omens), e ele viu a loucura, as longas filas de autógrafos, tudo aquilo, e seu conselho foi esse:

 

“Isso é realmente ótimo. Você deveria apreciar isso.”

 

E eu não aproveitei. O melhor conselho que já recebi que ignorei. Ao invés disso, eu me preocupei com aquilo. Eu me preocupei com o próximo prazo, a próxima ideia, a próxima estória. Não houve um momento nos próximos quatorze ou quinze anos em que não estivesse escrevendo algo em minha cabeça, ou imaginando a respeito. E eu não parei e olhei em redor e pensei, isso é realmente divertido. Eu queria ter aproveitado mais. Tem sido uma caminhada incrível. Mas houve partes da trilha que eu perdi, porque estava muito preocupado em as coisas darem errado, sobre o que viria depois, para apreciar a parte em que estava.

 

Essa foi a lição mais difícil pra mim, eu acho: relaxar e curtir a caminhada, porque a jornada o leva a alguns lugares memoráveis e inesperados.

 

E aqui, nesta plataforma, hoje, é um destes lugares. (E eu estou curtindo isso imensamente.)

 

Para todos os graduandos de hoje: eu desejo a vocês sorte. Sorte é útil. Frequentemente vocês descobrirão que quanto mais duro vocês trabalharem, e mais sabiamente, mais sortudos vocês serão. Mas existe sorte, e ela ajuda.

 

Nós estamos em um mundo em transição neste momento, se vocês estão em qualquer campo artístico, porque a natureza da distribuição está mudando, os modelos pelos quais os criadores entregavam seu trabalho ao mundo, e conseguiam manter um teto sobre suas cabeças e comprar alguns sanduíches enquanto faziam isso, estão todos mudando. Eu falei com pessoas do topo da cadeia alimentar em publicações, vendas de livros, em todas essas áreas, e ninguém sabe com o que a paisagem se parecerá daqui a dois anos, que dirá daqui a uma década. Os canais de distribuição que as pessoas construíram ao longo do último século ou mais estão contínua mudança, para os impressos, para artistas visuais, para músicos, para pessoas criativas de todos os tipos.

 

O que é, por um lado, intimidante e, por outro, imensamente libertador. As regras, as suposições, os agora nós devemos fazer de como você consegue expor seu trabalho, e o que você faz a seguir, estão ruindo. Os porteiros estão deixando seus portões. Vocês podem ser tão criativos quanto precisarem para conseguir visibilidade para seus trabalhos. YouTube e a web (e o que quer que venha depois do YouTube e da web) podem dar a vocês mais pessoas de audiência do que a televisão jamais deu. As velhas regras estão desmoronando e ninguém sabe quais são as novas regras.

 

Então inventem suas próprias regras.

 

Alguém recentemente me perguntou como fazer alguma coisa que ela achava que seria difícil, em seu caso, gravar um audiobook, e eu sugeri que ela fingisse que ela era alguém que poderia fazê-lo. Não fingir fazê-lo, mas fingir que era alguém que podia fazer. Ela colocou uma nota para este efeito na parede do estúdio, e disse que isso ajudou.

 

Então sejam sábios, porque o mundo necessita de mais sabedoria, e se vocês não puderem ser sábios, finjam ser alguém que é sábio, e então apenas se comportem como eles se comportariam.

 

E agora vão, e cometam erros interessantes, cometam erros maravilhosos, façam erros gloriosos e fantásticos. Quebrem regras. Façam do mundo um lugar mais interessante por vocês estarem aqui. Façam boa arte.

Neil Gaiman, 17 de maio de 2012.

9 motivos para você aprovar seu projeto na Lei Rouanet já

No dia 1 de fevereiro reabriu o sistema Novo SalicWeb para o recebimento de projetos culturais a serem aprovados na Lei Federal de Incentivo à Cultura (mais conhecida como Lei Rouanet).

 

Muitos produtores e artistas nos perguntam se vale a pena já ter um projeto aprovado nesta lei ou se o ideal é ter uma outra estratégia para realização de sua ideia.

 

Enumeramos aqui as 9 razões pelas quais acreditamos que você deve não apenas inscrever seu projeto na lei assim que ela abrir, mas, principalmente, trabalhar sempre com um portfólio de projetos aprovados (limite de 2 projetos caso você inscreva como pessoa física ou 5 projetos caso você seja pessoa jurídica).

 

Confira aqui nossos motivos para inscrever seu projeto cultural na Lei Rouanet agora mesmo:

stamp-1024650_640

 

  1. A aprovação chancela seu projeto

A partir do momento em que você envia seu projeto para o Ministério da Cultura, ele passa por três etapas distintas:

 

  • Análise documental: o profissional verifica se você preencheu todos os campos corretamente e se enviou os documentos necessários para a análise de seu projeto.

 

  • Análise técnica: a proposta se transforma em projeto cultural (quando ganha o PRONAC) e passa a ser analisada por um parecerista. Este profissional pode questionar itens do seu projeto e também sugerir mudanças em seu orçamento.

 

  • Aprovação na CNIC: Seu projeto vai para a reunião mensal do Conselho Nacional de Incentivo à Cultura onde pode ser aprovado, reprovado ou reenviado de volta para o analista.

 

O que isto significa na prática para seu projeto?

 

Que ele foi lido e avaliado por instâncias diferentes, o que gera credibilidade ao receber a aprovação no Diário Oficial.

 

reality-1098740_1920

 

  1. Você vai perceber que o seu projeto é real

Para enviar um projeto para o Ministério da Cultura não basta ter uma grande ideia. É preciso elaborá-la e transformá-la em um projeto cultural.

 

Ao fazer isso e preencher os campos do formulário, você acaba dando-se conta que seu projeto é real.

 

Normalmente temos a insegurança de acreditar em algo está apenas no papel, mas a partir do momento em que você convida profissionais para fazerem parte de sua ficha técnica, coloca seus currículos no projeto e passa a elaborar a ideia dentro de um formato pré-estabelecido, o que antes parecia algo distante começa a se tornar real!

 

open-966315_1280

 

  1. É a única lei que fica aberta praticamente o ano inteiro

Sim, este é um dos motivos pelos quais você deve inscrever um projeto na Lei Rouanet.

 

Como o sistema fica aberto de 1 de fevereiro a 30 de novembro anualmente, ele é uma das poucas oportunidades que estará sempre disponível para fazer a sua ideia acontecer.

 

Ao invés de esperar aquele edital, aquela empresa, aquela ocasião ideal, que tal fazer você mesmo a oportunidade, aprovar seu projeto na Lei Rouanet e começar a captar recursos tão logo ele seja aprovado?

 

bar-604633_1280

 

  1. Seu patrocinador pode estar mais perto do que você imagina

A verdade é que um patrocinador não vai bater à sua porta pedindo para analisar seu projeto.

 

Por outro lado, ele existe e pode estar mais perto do que você pensa.

 

Já imaginou sair com os amigos e descobrir que seu “BFF” agora trabalha naquela empresa que tem o perfil perfeito para patrocinar o seu projeto?

 

Ou ainda perceber que do seu lado esquerdo, pedindo mais um choppinho, está sentado o responsável pela área de patrocínios de uma grande empresa?

 

Pode ter certeza que a primeira pergunta que irão te fazer é “o seu projeto está aprovado em alguma lei de incentivo”?

 

E se não estiver, amigo, aquele choppinho vai descer com um gosto amargo desta vez…

 

clock-650753_1920

 

  1. Para garantir que você poderá captar durante todo o período máximo permitido

Atualmente o processo de aprovação de um projeto na Lei Rouanet leva, em média, três meses.

 

Fazendo as contas… se o sistema abre dia 1 de fevereiro, por volta de abril/maio você já terá seu projeto aprovado na lei.

 

Isso garante não apenas que você tenha o fim do 1o semestre para captar, como também todo o 2o semestre, principalmente os últimos três meses que são sempre um período excelente.

 

Além disso, caso você não capte este ano, ainda tem a chance de pedir a prorrogação por mais duas vezes (o que pode chegar a mais 2 anos inteiros!).

 

Agora se você decidir inscrever seu projeto no meio deste ano, toda esta conta vai por água abaixo e seu prazo máximo vai começar a se reduzir para 2 anos e meio ou 2 anos apenas.

 

Bora começar esta inscrição já?

 

man-791440_1920

 

  1. Você pode ganhar uma notinha no Ancelmo Góis

Piadas à parte, parece que o Ancelmo curte dar uma espiadinha no Diário Oficial e publicar notinhas sobre projetos aprovados.

 

A real é que isso até pode trazer um patrocinador interessado para você, caso ele se anime com a proposta de seu projeto.

 

A questão principal é que o grande público pensa que projeto aprovado ganha automaticamente o valor solicitado (e por isso o Góis adora colocar projetos de valores exorbitantes nas notinhas).

 

Bafafás à parte, uma divulgação como esta pode mais ajudar do que atrapalhar… Então, por que não?

 

geometry-1023846_1920

 

  1. Esta é uma maneira de entender como funciona todo o processo de aprovação de um projeto pelo Ministério da Cultura

Você pode começar lendo a legislação ou fazendo um curso de Elaboração de Projetos (o que nós recomendamos muito!), mas a verdade é que ganhar prática na aprovação de projetos acontece fazendo.

 

Cada projeto tem suas peculiaridades, diligências e desafios.

 

Assim, a melhor forma de aprender e perder o medo é fazendo.

 

E se você não fizer nada, o não você já tem.

 

Agora é hora de correr atrás do sim!

 

running-498257_1920

 

  1. Você garante a participação em editais, inclusive aqueles que pedem o PRONAC

Nos últimos anos, o Ministério da Cultura entrou em contato com diversas empresas que atuam através de editais para solicitar que não pedissem mais o Pronac (ou aprovação) antecipadamente.

 

Por que o MinC fez isso?

 

Porque isso fazia com que milhares de pessoas inscrevessem seus projetos às pressas para participar de um edital, onerando o sistema de análises do MinC (que paga os pareceristas por análise feita).

 

Pra piorar, quando o resultado do edital era divulgado, somente uma pequena parcela destes projetos era contemplada.

 

Com esta conversa do MinC com as empresas, muitos editais eliminaram a obrigatoriedade da aprovação antecipada.

 

Entretanto…

 

… ainda há editais que fogem à esta regra (como o Porto Seguro, por exemplo).

 

Assim, pra não perder nenhuma chance, o ideal é ter sempre um projeto aprovado em mãos!

 

coffee-631764_1920

 

  1. O Diário Oficial pode ser o maior estímulo para você começar a captar

Ok, a gente sabe. Na teoria o Diário Oficial, ou DO como é conhecido, não passa de um papel (que pode inclusive ser emitido online) e que garante apenas a aprovação do projeto na Lei Federal de Incentivo à Cultura.

 

Mas peraí… isso pode ser um grande estímulo, não?

 

Bora imprimir umas três vias, emoldurar uma igual a um diploma, colar uma no espelho do banheiro e outra na geladeira pra motivar a gente a captar recursos e realizar nossas ideias!

 

Afinal, o projeto está lá, aprovadinho, pronto pra cair no mundo!

 

Pode ter certeza que um bom mindset já é meio caminho andado para o sucesso, viu?

 

theater-629069_1920

 

  1. Mesmo na crise, a Lei Rouanet é responsável por quase 90% da cultura produzida em nosso país

Sim, esse papo de crise é chato, desanimador e desmotiva a gente.

 

Ainda assim, o setor cultural é um dos que mais tem crescido e gerado oportunidades neste cenário.

 

É a velha história do copo cheio e copo vazio. Nós aqui, preferimos sempre olhar o copo cheio!

 

Bora arregaçar as mangas, dar um chega-pra-lá nessa crise e conquistar nosso espaço?

 

No que depender da DA GAVETA, pode contar conosco!

 

Não sabe por onde começar?

Não tem problema!

 

Aqui vão nossas 4 dicas de ouro para você arregaçar as mangas e começar a desenvolver suas ideias hoje mesmo!

 

1.  Curso Lei Rouanet Descomplicada

 

Lei Rouanet

 

Um passo-a-passo para você inscrever seu projeto na Lei Rouanet e nunca mais ficar perdido ao acessar o sistema ou responder diligências, desde a inscrição do proponente à aprovação no Diário Oficial. Clique AQUI para saber mais!

 

2. Curso Grátis de Produção Cultural

 

Mini

Ficou perdido e não sabe por onde começar? Não tem problema, aqui vai o mapa da minaSão 14 aulas em vídeo enviadas diariamente para o seu email, ao longo de duas semanas, sobre Produção Cultural. Inscreva-se AQUI. É molezinha!

 

3. eBook: Eu tenho um projeto… Manual prático para tirar suas ideias da gaveta

 

Livro Eu tenho um projeto

Como o próprio nome já diz, este eBook dá aquele empurrãozinho que faltava pra tirar suas ideias da gaveta. Você terá em mãos um manual prático para viver de seus projetos. Clique AQUI para comprar o seu!

 

4. Curso Online de Elaboração de Projetos Culturais Simplificada

 

curso

Se o mistério pra você é definir o proponente do projeto, escrever um bom objetivo, entender como fazer uma justificativa ou ainda fazer um orçamento da página em branco até a última linha, este curso é para você. Saiba mais clicando AQUI.

6 dicas para mudar sua postura mental e ter sucesso em seus projetos

 

Este material foi elaborado pela DA GAVETA para ajudar você a mudar e reforçar o seu processo mental para que encontre o caminho do sucesso e das realizações.

 

Ele faz parte do nosso KIT MEU LEME, MEU LEMA para ajudar você a assumir o mastro da sua vida e navegar no mar que desejar.

 

Nosso objetivo é fazer com que você mude a sua postura em relação à sua vida profissional e pessoal e com isso, possa trabalhar os dois lados com foco, eficiência, organização e atitude.

 

Não acreditamos em receita de bolo para criar um projeto de sucesso.

 

Nós acreditamos que existem alguns fatores fundamentais para que o seu projeto prospere e se torne um sucesso.

 

Ele deve começar por você.

 

Tenha a consciência de que você é responsável por tudo.

 

Quando você começa um projeto qualquer você está fadado a somente dois resultados: sucesso ou fracasso.

 

Escolha o sucesso.

indian-1119236_640

1. Idade:

Não use a idade como desculpas para os fracassos.

 

Aproveite cada momento com energia e motivação.

 

Não olhe para trás e não perca tempo pensando em coisas que você deveria ter feito.

 

Ter a consciência do tempo real e de que cada dia, um dia de cada vez, deve ser trabalhado ao máximo, é uma ferramenta poderosa para auxiliar no seu sucesso.

 

Não lute contra o tempo. Use-o a seu favor.

 

Uma palavra pode resumir o combustível para o seu dia: entusiasmo.

 

glasses-983947_640

2. Auto-desenvolvimento:

 

Você já deve ter escutado a máxima: “ninguém sabe tudo!”.

 

Pois bem, você sempre vai encontrar alguém que saiba mais do que você.

 

Ainda assim, ninguém conhece sobre tudo.

 

newsletter

 

O ponto está aqui: conhecimento.

 

Esse é o maior investimento que você pode fazer na sua vida.

 

Ler, estudar, pesquisar, fazer cursos, buscar conhecimentos em outras áreas, conversar com outros profissionais…

 

Saiba que os melhores, – as pessoas que estão no topo, – são devoradores de conhecimento e desenvolvimento.

 

Estima-se que 85% das pessoas que são referências gastam, pelo menos, 30 minutos por dia no seu desenvolvimento.

 

 

day-planner-828611_640

 

3. Planejamento:

Planeje seu dia, sua semana, seu mês, seu ano…!

 

Tenha metas para o curto, médio e longo prazo.

 

Não tenha pressa em realizar tudo mas também não fique engessado nas suas decisões.

 

Todos nós possuímos um limite e você será colocado à prova todos os dias.

 

Portanto, trabalhe a sua mente para que as decisões sejam eficientes e focadas em suas metas.

 

Planeje e foque em soluções.

 

As metas são ótimas ferramentas para auxiliar você neste processo.

 

colored-pencils-1090000_640

 

4. Inteligência Emocional: 

 

Todos os dias você terá desafios e sem inteligência emocional você não terá o equilíbrio necessário para ultrapassá-los.

 

Se você possui a capacidade de trabalhar focado, sendo produtivo, mesmo em situações de extrema adversidade, este será o seu diferencial.

 

Para isso, você precisa se conhecer.

 

Saber o que te afeta, o que te deixa nervoso, o que te abala com mais facilidade, o que faz você perder o foco.

 

Ter inteligência emocional é usar a mente e o autoconhecimento para neutralizar todos os fatores que possam te atrapalhar e desviar o seu caminho do sucesso.

 

Lembre-se, você é responsável por todas as suas escolhas.

 

O diferencial está em saber lidar com estas escolhas.

 

balloon-954016_640

 

5. Sonhe grande:

Você já deve ter ouvido falar no poder da mente não é? Mas não é brincadeira.

 

Já está mais do que comprovado, por diversos estudos acadêmicos, do que o poder da mente e do pensamento positivo são capazes.

 

Existem técnicas para auxiliá-lo neste processo, como a visualização, a mentalização, a meditação, dentre outras.

 

Pensar grande faz parte do processo mental do sucesso.

 

Pensar sempre positivamente, não se deixando abalar com derrotas, é o principal pilar dos grandes empreendedores.

 

Exercite a mente e exclua qualquer pensamento que possa levá-lo para a escuridão, para o fracasso, para a derrota.

 

Fortaleça o seu cérebro usando técnicas mentais focadas no positivo.

 

woman-570883_640

6. Acredite em si mesmo:

 

Nós temos uma frase na nossa empresa: “se você não acredita no seu projeto, quem vai acreditar?

 

Se alguém tem que fazer alguma coisa, este alguém é você.

 

 

Por Letícia Tórgo e Alexandre Rocha 

 

 

curso

7 dicas que vão facilitar sua vida na elaboração de um projeto cultural (a #1 é imbatível)

 

Muitas pessoas entram em contato conosco dizendo que têm um projeto e que querem levá-lo adiante. Entretanto, na maioria das vezes o que elas têm é uma ideia e não um projeto.

 

A elaboração de um projeto cultural precisa sempre responder a estas perguntas:

  • O que?
  • Quanto?
  • Quando?
  • Onde?
  • Por quanto tempo?
  • Com quem?
  • Quanto custa?

 

Falando assim parece simples, e hoje vamos mostrar pra você que realmente é.

 

Confira aqui as 7 dicas que vão facilitar seu trabalho no momento de elaborar um projeto cultural (e ainda receba uma super dica no fim do artigo):

 Como escrever um objetivo

1. Conheça a fórmula que vai simplificar o objetivo do seu projeto

O objetivo de um projeto é o fim que se deseja atingir. É a meta que se pretende alcançar. Um objetivo é o que move uma pessoa a tomar alguma decisão ou buscar suas aspirações.

Quando falamos de objetivo de um projeto, a maneira mais sintética, objetiva e clara de escrevê-lo é usando a formula:

 

OB = OQ + QT + QD + OD + PQT

Ou seja, objetivo é igual a soma de:

o que + quanto + quando + onde + por quanto tempo.

Vamos a um exemplo:

OQ = Espetáculo de teatro

QT = Um espetáculo (1)

QD = No 2o semestre de 2016

OD = No Rio de Janeiro

PQT = Por uma temporada mínima de 3 meses.

 

Para ficar ainda mais fácil :

Este projeto visa a realização de (QD) (OQ) a ser realizado (QD) em/no (OD) por (PQT).

 

Agora redigindo o objetivo: 

Este projeto visa a criação e apresentação de um espetáculo de teatro a ser realizado no 2o semestre de 2016 na cidade do Rio de Janeiro por uma temporada mínima de 3 meses.

 

Simples, não é? É claro que depois deste parágrafo você pode incluir mais informações em seu objetivo, particularidades de seu projeto, referências artísticas, informações adicionais e o que mais achar importante. Ma lembre-se que menos é mais e que isso é fundamental e não pode faltar NUNCA!

 

elaboração de projeto

 

2.Conheça as palavras-chave para escrever uma justificativa de um projeto

Afinal, o que vem a ser a justificativa de um projeto? A justificativa é o « por quê » de sua realização. Em outras palavras, quais os motivos que fazem você, como proponente, acreditar que ele deva ser feito. É importante pensar, neste momento, em questões inerentes ao projeto, às reflexões que ele poderá proporcionar ou mesmo ao aprendizado que se pode obter a partir de seu consumo.

 

Veja abaixo algumas palavras-chave que poderão ajudá-lo na elaboração da justificativa do seu projeto, mas lembre-se sempre que a resposta para sua justificativa está na pergunta « por que eu desejo realizar este projeto? ».

 

  • Apresentar ao público…
  • Estudar o impacto de…
  • Criar uma relação entre…
  • Criar uma oportunidade de/para…
  • Compartilhar conhecimento sobre…
  • Estimular…
  • Promover a arte…
  • Integrar disciplinas…
  • Dar oportunidade a novos talentos…

 

Pronto para escrever sua justificativa?

 

Elaboração de projetos

3. Descubra como definir o local do meu projeto mesmo sem ter os recursos para viabilizá-lo

Pode parecer difícil definir este local quando o projeto ainda está no papel e quando há uma forte concorrência pelos espaços mais atraentes das grandes cidades, mas definindo ao menos o que seria este local ideal, você garante a definição da envergadura do seu projeto e poderá planejar da melhor forma seu plano de distribuição.

 

Mesmo que o local onde você planejou apresentar seu projeto mude, o ideal é que busque sempre espaços similares em termos de alcance, localização e público para não ter surpresas. Lembre-se que ainda estamos trabalhando com o cenário ideal e hipotético, e que nem sempre todas as nossas demandas para o projeto serão atendidas. Esteja preparado para estas mudanças.

 

elaboração de projeto cultural

4. Veja como fazer um cronograma mesmo sem ter a menor ideia de quando o projeto vai acontecer

Pode parecer um grande desafio definir quando seu projeto será realizado se você está, neste momento, apenas o colocando no papel. Realmente não é fácil. Mas alguns truques podem ajudá-lo a superar este desafio e ter um cronograma perfeito.

 

Para desenvolver o cronograma de seu projeto a primeira tarefa que você deve fazer é listar – sem uma ordem definida – tudo o que terá que realizar para que ele aconteça, desde inscrevê-lo em uma determinada lei até entregar a prestação de contas para o patrocinador. Seja o mais detalhado que puder. Quanto mais informações o projeto tiver, melhor para sua realização.

 

Com a lista pronta em mãos, o segundo passo é colocá-la na melhor ordem que poderá executá-las. Depois que as atividades estiverem em ordem, agora é hora de colocar ao lado de cada uma delas o tempo estimado que irá precisar para realizá-las. Pense em meses ou semanas porque isso irá facilitar o desenvolvimento do cronograma, que idealmente é calculado em meses.

 

Quanto mais realista você for durante o desenvolvimento do seu cronograma, menos surpresas terá futuramente.

 

elaboração de projeto cultural

5. Saiba por onde você deve começar sua ficha técnica

A ficha técnica é uma lista que determina os principais profissionais envolvidos em seu projeto e as atividades que cada um desempenha durante sua execução.

 

Para começar, faça uma lista das pessoas com quem gostaria de trabalhar ou avalie projetos similares ao seu para conhecer quem fez parte de suas equipes.

 

Com a lista em mãos, a segunda etapa é fazer os convites. Mesmo que não tenha os contatos deste profissional, hoje em dia, com as redes sociais, você não apenas consegue uma conexão direta mais rápido como ainda descobre amigos em comum que podem indicá-lo ou dar um parecer sobre os profissionais que selecionou.

 

Todas as pessoas que você colocar em sua ficha técnica devem ter ciência (e estar de acordo, naturalmente) de que seus nomes estão sendo citados no projeto.

 

elaboração de projeto cultural

6. Entenda como fazer um plano de divulgação

O plano de divulgação é o conjunto de ações destinadas à divulgação de seu projeto cultural e compreende materiais como: anúncios em jornais, cartazes, folders, outdoors, panfletos, inserções em rádio, televisão e em novas mídias (como portais e sites), entre outras.

 

Confira aqui os veículos mais comuns que podem fazer parte de seu plano de divulgação:

  • Mídia televisiva
  • Mídia radiofônica
  • Mídia na internet
  • Anúncios em jornais e revistas
  • Cartazes
  • Filipetas (distribuição nas ruas proibida em algumas cidades)
  • Busdoor
  • Outdoor (também proibido em algumas cidades)
  • Taxidoor
  • Marcador de Livro
  • Brindes
  • Faixa em avião
  • Email marketing
  • Redes Sociais
  • Videos virais

 

Ao criar seu plano de divulgação, lembre-se de não se limitar à esta lista. Quanto mais autêntica e inovadora for sua comunicação, mais chances você tem de atrair novos espectadores para seu projeto.

 

elaboração de projeto cultural

7. Saiba o que é o plano de distribuição

O plano de distribuição é a forma como seu produto cultural irá chegar às mãos do seu público-alvo. Trata-se de uma etapa fundamental no desenvolvimento de um projeto, mas que muitas vezes é deixada de lado pelo proponente porque ele não consegue visualizar de que forma seu produto será distribuído.

 

Para desenvolver um plano de distribuição, você précisa saber (ou estimar) o local onde irá realizar seu projeto, o tempo em que ele estará acessível para o público (normalmente contado em dias ou apresentações), a capacidade do local e os preços aplicados (ou a gratuidade, caso não haja cobrança de ingressos). Com estes números em mente, você poderá fazer uma projeção de quanto pode receber de receita pelo projeto.

 

Mesmo que seja uma estimativa hipotética, o plano de distribuição é obrigatório não apenas para que seu projeto seja inscrito em leis e editais como também para que seu futuro patrocinador e você sabiam quantas pessoas poderão ser atingidas por ele.

 

elaboração de projetos culturais

Um manual que vai ajudar você na elaboração de um projeto cultural:

 

Se você curtiu estas dicas e quer se aprofundar mais na elaboração de projetos, que tal conhecer o eBook  Eu tenho um projeto… Manual prático para tirar suas ideias da gaveta?

 

Ele é o único que mostra como produzir seus projetos culturais do início ao fim e ganhar dinheiro suficiente para não precisar de outro emprego, mesmo que você não tenha ideia por onde começar.

 

Então, se você é um artista ou produtor que está em busca de um passo-a-passo, desde a página em branco até os aplausos finais, ele não é o melhor, mas sim a única solução para colocar suas ideias no mundo e viver do seu talento como artista.

 

Se você estiver disposto a trabalhar e a criar um projeto cultural desde o papel em branco, quando você ainda não souber nem mesmo qual o nome de seu projeto, até atingir seu público, naturalmente ganhando dinheiro para viver de sua idéia, o eBook Eu tenho um projeto… Manual prático para tirar suas ideias da gaveta foi feito pra você

 

O eBook é totalmente online. Ou seja, você poderá lê-lo quando e onde quiser: do seu computador, laptop, celular, tablet, kindle ou leitor digital.

 

Veja o que você vai aprender:

Na primeira parte do livro você vai entender:

  • O dilema da página em branco
  • Como utilizar o manual
  • Onde tudo começou
  •  O primeiro passo
  • Material de trabalho

Na segunda parte vamos abordar conceitos como :

  • O sucesso
  • A resistência
  • A persistência

Na terceira parte começamos a colocar a mão na massa :

  • A ideia
  • O batizado de um projeto
  • Objetivo do projeto
  • A Justificativa do projeto
  • As particularidades de um projeto
  • O local
  • Direitos Autorais
  • O cronograma
  • A ficha técnica
  • O plano de divulgação
  • O plano de distribuição
  • O orçamento

Na quarta parte vamos sair do papel para a prática :

  • Como tirar seu projeto do papel
  • Contrapartidas ao patrocinador
  • A caixa de ferramentas
  • Leis de Incentivo
  • Captação de recursos
  • Editais privados
  • Editais públicos
  • Auto-financiamento
  • Empréstimos
  • Patrocínio afetivo
  • Crowdfunding
  • Anjos e investidores
  • Desenvolvendo uma estratégia

Na quinta parte vamos começar a executar seu projeto :

  • Consegui captar! E agora?
  • Assessoria de Imprensa
  • Relação com patrocinadores
  • Gestão de equipe
  • O grande dia
  • Relacionamento com o publico

E por ultimo vamos finalizar o projeto e nos preparar para uma nova ideia :

  • Prestação de contas e finalização
  • De volta ao começo

O mais bacana é que você terá acesso ao eBook automaticamente depois da compra, diretamente em seu computador.

 

Você deve estar se perguntando, quanto eu terei que pagar por isso?

Antes de responder isso eu te pergunto:

  • Quanto vale pra você um eBook que vai te ensinar a realizar suas ideias?
  • Quanto vale ser reconhecido como artista?
  • Quanto vale não precisar trabalhar mais em algo que você não ama?
  • Quanto vale se dedicar a uma ideia em que você realmente acredita?

 

Tudo isso através de um eBook que vai ajudar você na elaboração de um projeto cultural, da página em branco aos aplausos do público, em um passo-a-passo com todos os segredos que levamos anos para descobrir.

 

Pra você ter uma idéia, quando a DA GAVETA realiza a elaboração de um projeto isso não custa menos do que R$ 800. E hoje você vai poder comprar um eBook que vai ajudar você a fazer sozinho todos os seus projetos por apenas R$ 15,67.

 

Agora você tem 3 opções:

  • A primeira opção é não fazer nada.
  • A segunda opção é fazer como nós fizemos, levando anos pra descobrir como elaborar um projeto e como executá-lo até o final. Esta é a opção mais cara e demorada.
  • A terceira opção é comprar o livro agora mesmo.

 

Se você quer um manual que vai ajudar você a realizar suas ideias e finalmente poder viver fazendo o que ama, ganhando dinheiro com isso e transformando o mundo através da cultura, clique no botão abaixo agora mesmo.

 

Você vai ser direcionado para o site da Amazon e poderá adquiri-lo rapidamente. Depois, é só baixar o aplicativo gratuito da KINDLE em seu celular, notebook, computador ou tablet pra começar a leitura hoje mesmo.

 

Este é o caminho mais curto para começar a realizar suas ideias hoje mesmo! Compre agora mesmo Eu tenho um projeto… Manual prático para tirar suas ideias da gaveta e comece já a transformar o mundo com suas idéias e ser reconhecido como artista.

 

EuQueroAgora

 

PS. ainda não se convenceu? Clique aqui para baixar uma amostra dos primeiros capítulos gratuitamente! :) A gente garante!

 

 


 

 

newsletter

MinC convoca 346 novos peritos para credenciamento

Foi publicado nesta quarta-feira (19), no Diário Oficial da União (DOU), o resultado do Edital de Credenciamento nº 1/2014, retificado por meio do Edital nº 1/2015, que vai credenciar pessoas físicas para exercerem como peritos as atividades de análise e emissão de parecer técnico sobre projetos culturais no âmbito do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), promovido pelo Ministério da Cultura (MinC) e suas entidades vinculadas.
Com inscrições realizadas entre 25 de setembro e 8 de novembro do ano passado, o concurso contabilizou 1.276 candidatos, dos quais 346 estão convocados para assinatura do termo de compromisso como peritos, que terá vigência de um ano, prorrogável por iguais períodos, com limite de cinco anos. Outros 384 candidatos ainda poderão apresentar documentação e/ou recursos, em até cinco dias úteis, para possíveis admissões adicionais. As orientações estão descritas na Portaria do Resultado Provisório.
edital-pareceristas-interna-1 minc peritos
Profissionais representantes das áreas de artes cênicas, artes visuais, audiovisual, diversidade cultural, humanidades, música e patrimônio cultural se somam, assim, ao banco de pareceristas peritos do MinC, ampliando o número de credenciados para atendimento aos cerca de 7 mil projetos culturais que pleiteiam apoio, a cada ano, por meio de incentivo fiscal. Os peritos classificados comprovaram qualificação e capacitação técnica nas áreas para as quais estarão habilitados, tendo ainda compreensão da legislação aplicada ao Pronac; capacidade de redigir textos com impessoalidade, clareza e concisão; e familiaridade com gestão cultural. Eles prestarão serviços ao MinC, sendo solicitados e remunerados conforme demanda.
Mais informações pelo e-mail pareceristas.sefic@cultura.gov.br ou pelos telefones (61) 2024-2078, (61) 2024-2274 e (61) 2024 2141.

Acesso rápido

Edital nº 1/2015 – Retificação do Edital de Credenciamento nº 1/2014