20 dicas que você precisa saber na hora de elaborar projetos culturais

Você gostaria de saber como desenvolver um projeto cultural redondinho e aprender como escrevê-lo desde a página em branco até o orçamento final sem nunca mais ter que se descabelar ou passar horas escrevendo algo que você não tem certeza se está bom?

Confira aqui nossas 20 dicas de ouro para a elaboração de projetos:

1. O resumo é um resumo mesmo! 

 

O preenchimento do resumo é um campo obrigatório quando você está inscrevendo um projeto na Lei Rouanet. O resumo deve descrever o que você pretende realizar em no máximo 5 linhas, limitado ao máximo de 1000 caracteres. Trata-se de uma síntese com as informações essenciais fazendo referência ao(s) produto(s) cadastrado(s) no Plano de Distribuição. É importante ter muita atenção neste campo porque ele fará parte da publicação no Diário Oficial de seu projeto, quando ele for aprovado.

 

2.  O objetivo precisa ser… objetivo!

Nos objetivos do seu projeto devem constar APENAS:

 

1) Os objetivos gerais e específicos do projeto de forma clara, concisa e bem definida, sendo fundamental que esses possam ser medidos quantitativamente e/ou qualitativamente;
2) A repercussão local, regional e nacional esperada por meio da realização de tais objetivos;

 

3) Os impactos e desdobramentos positivos ou negativos desses objetivos, seja no âmbito cultural, econômico, social ou outro considerado relevante;

 

4) A contribuição do projeto para o desenvolvimento da área ou segmento cultural em que se insere.

 

Veja AQUI como elaborar um objetivo perfeito.

 

3. A acessibilidade precisa atender o que a lei determina.

Neste campo, o proponente (você!) deve informar quais ações serão adotadas (ou que o local já possui), para  proporcionar condições de acessibilidade a pessoas idosas, nos termos do art. 23 da Lei no 10.741, de 1o de outubro de 2003, e portadoras de deficiência, conforme o disposto no art. 46 do Decreto no 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Os projetos culturais financiados com recursos federais devem SEMPRE facilitar o livre acesso de pessoas com deficiência e pessoas idosas. É regra e é clara! Elevadores, rampas de acesso, espaço para cadeirantes são algumas destas ações.

4. Democratizar o acesso não é igual a convidar seus amigos.

 

No campo de democratização do acesso, o proponente deve inserir de forma detalhada como serão doados ou vendidos os ingressos e quaisquer outros produtos resultantes do projeto, com detalhamento do público alvo, dos preços, dos critérios, das estratégias e das etapas do processo de distribuição e dos resultados esperados com o acesso do público. A ideia aqui é mostrar que você está usufruindo dos benefícios da lei ao mesmo tempo em que está cumprindo com o que ela determina, né? Ah, e estas informações devem bater direitinho com seu plano de distribuição, viu?

Os 3 principais erros que todo produtor cultural comete

5. Não esqueça a prestação de contas nas Etapas de Trabalho!

 

Neste campo, o proponente deve detalhar todas as fases do projeto: pré-produção, produção e pós-produção, finalizando na entrega da prestação de contas. Já pensou colocar tudo direitinho e esquecer a prestação? Atenção: o período de realização do projeto indicado nesse campo tem uma relação direta com o orçamento proposto.

 

6. Não coloque informações desnecessárias ou longas demais na ficha técnica

Na Ficha técnica, o proponente deve informar qual será sua função no projeto, assim como a indicação dos nomes, juntamente com os currículos resumidos, do diretor/coordenador artístico e dos artistas e/ou grupos participantes. Nada de colocar telefone, endereço, email de ninguém, viu? É só o nome + função no projeto + breve currículo, preferencialmente focando nos últimos projetos realizados!

 

7. Não tem todo mundo da ficha técnica ainda? Sem problemas!

Caso os nomes dos artistas ainda não estejam definidos, basta uma justificativa pela falta dos mesmos que as leis de incentivo e editais entendem. Claro que num edital, isso reduz suas chances de ser selecionado... então... corre atrás dessa equipe!

 

8. O patrocinador não pode receber mais do que 10% do produto final resultante

Não adianta o patrocinador esbravejar... é a lei! Há o limite de até 10% dos produtos culturais que serão distribuídos aos patrocinadores para a distribuição e você deve cumprir com estes limites.

9. Você pode ceder produtos resultantes para fins de divulgação... mas só 10%!

 

Você pode distribuir os produtos resultantes de seu projeto cultural (ingressos, CDs, DVDs, livros) para a imprensa, críticos ou para fins de divulgação e isso dá sempre um excelente resultado. Mas só deve lembrar que há o limite de até 10% dos produtos para esta distribuição.

 

light-bulbs-1125016_1280

 

10. Distribuição Gratuita para a População de Baixa Renda não tem limite

Claro!

 

Se a ideia das Leis de Incentivo é justamente atender ao maior número de pessoas, projetos 100% gratuitos ou com alta distribuição gratuita para baixa renda e beneficiários faz parte do objetivo da legislação!

 

Dá só uma olhada na definição de população de baixa renda, segundo Decreto 6135, de 27 de junho de 2007:

 

“Art. 4o ...

II - família de baixa renda: sem prejuízo do disposto no inciso I:

a) aquela com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo; ou

b) a que possua renda familiar mensal de até três salários mínimos;”

Caso o projeto seja inteiramente gratuito, a estimativa de público deverá ser inserida nesta coluna.

 

Lembrando que, para a Lei Rouanet, deverão ser distribuídos no mínimo 10% dos produtos culturais à população de baixa renda e adotados os meios de Democratização de Acesso, que já falamos lá em cima!

 

 

11. O orçamento deve estar coerente com todos os campos anteriores do projeto

Sim, não dá pra dizer uma coisa e depois o orçamento dizer outra, né? Sua Planilha Orçamentária deve estar compatível com o objetivo e as metas da proposta. Todos os itens pertinentes e essenciais à execução da proposta devem estar incluídos na planilha. Itens relacionados à administração do projeto e sua divulgação são indispensáveis também. Já pensou ter um projeto em que você pensou em toda a parte criativa, mas esqueceu que tem que pagar um contador, material de escritório e correios?

 

Os 3 principais erros que todo produtor cultural comete

 

12. Modelos de planilhas podem facilitar sua vida na hora de elaborar seu orçamento

Na hora de elaborar um projeto, nossa maior dúvida é sempre saber se estamos esquecendo algum item importante ou não. Para não ter esta sensação, o ideal é buscar templates de orçamentos ou outros projetos para que possa comparar como o seu. Confira aqui nossos modelos de planilhas disponíveis.

 

13. O captador de recursos recebe, mas tem limites

Na Lei Rouanet, a Remuneração para Captação de Recursos é limitada a R$100.000,00 ou até 10% do valor do projeto a captar, o que for menor. Em leis estaduais e municipais há variação nestes valores e alguns editais não aceitam o item captação no orçamento do seu projeto. Vale sempre o que está escrito!

 

 

14. Os direitos autorais também têm limites

Na Lei Rouanet, os Direitos Autorais serão limitados a 10% sobre o valor total aprovado para o projeto, exceto se custos superiores forem aprovados pela plenária da CNIC, que é a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura.

 

15. Cuidado ao criar um plano de divulgação mirabolante

Os Custos de Divulgação/Comercialização do projeto dentro da Lei Rouanet não poderão ultrapassar 20% do valor total das etapas pré-produção, produção/execução e custos administrativos somadas. Ou seja, não adianta fazer aquele plano de divulgação escandaloso se ele não cabe no orçamento do seu projeto, viu?

 

16. Não esqueça os custos administrativos

Muito produtor foca na parte artística do projeto e acaba esquecendo os custos administrativos. É importante levar em conta também que, para a Lei Rouanet, os Custos Administrativos não poderão ultrapassar 15% do orçamento total das etapas pré-produção, produção/execução e divulgação somadas.

 

17. Atenção aos documentos obrigatórios

 

Além dos documentos do proponente, ao inscrever seu projeto em uma lei ou edital você deve ter em mente que há alguns documentos obrigatórios que precisam ser anexados ao sistema. Leia sempre as leis e editais para saber quais são estes documentos e tenha seu Kit do Produtor salvo em seu computador com todos os modelos que precisa gratuitamente!

 

18. Cuidado com o prazo das diligências

 

Se você está inscrevendo um projeto através da Lei Rouanet, é fundamental que acompanhe todas as fases de análise do seu projeto e responda às diligências dentro do prazo determinado. A maior parte das diligências atua no prazo de 20 dias para resposta (que pode ser prorrogado mediante pedido), mas não atendê-las pode colocar seu projeto em risco.

 

19. Lembre-se de renovar o prazo de captação do seu projeto

Ao ter o seu projeto aprovado na Lei Rouanet, é importante ter atenção ao prazo de captação. Você pode renová-lo duas vezes, mas sempre 30 dias antes que chegue a data do vencimento. Por isso, anote esta data no calendário e não deixe seu projeto ser arquivado!

 

20. Não espere que um patrocinador bata à sua porta.

Ufa! 20 dicas rápidas e direto ao ponto pra você não perder o foco em seu projeto cultural.

 

Quer saber quais são os 3 principais erros que um produtor cultural comete na hora da elaboração de projetos?

 

Então dá só uma olhada no que preparamos pra você:

 

Os 3 principais erros que todo produtor cultural comete

 

Lei Rouanet: sistema de processamento de projetos incentivados sofre mudanças

O Sistema de Apoio às Leis de Incentivo à Cultura (Salic), por meio do qual são inscritos e processados projetos culturais para captação de recursos de renúncia fiscal via Lei Rouanet, apresenta novas funcionalidades. Agora, os proponentes podem fazer interposição de recursos, readequação do projeto e remanejamento do valor por meio da própria ferramenta, o que racionaliza e agiliza ainda mais o fluxo processual.
Esta melhoria não apenas facilita o trabalho dos agentes culturais, mas também qualifica os processos internos do Ministério da Cultura (MinC), por meio de suas secretarias de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic) e do Audiovisual (SAv), representando um elevado ganho de produtividade para os seus servidores. Com a diminuição considerável da utilização de formulários em papel, a eliminação de comunicações fora de sistema e a concentração de todos os registros em um único ambiente, avança-se na rapidez do atendimento, nas respostas de diligências e de análises técnicas e, sobretudo, integram-se as informações com segurança.
 Lei Rouanet Salic

Novas funções

Além de poder interpor recursos relacionados às análises e diligências determinadas pelos pareceristas e gestores responsáveis, os proponentes podem agora utilizar o Salic para fazer readequação dos projetos, compreendendo: acessibilidade, agência bancária, alteração do proponente, alteração de razão social, democratização de acesso, especificação técnica, estratégia de execução, etapas de trabalho, ficha técnica, impacto ambiental, justificativa, local de realização, nome do projeto, objetivos, período de execução, planilha orçamentária, plano de distribuição, plano de divulgação, resumo do projeto e sinopse da obra.
Em referência ao remanejamento do valor, no limite legal de 20% para mais ou para menos do que foi inicialmente previsto para cada item, as alterações prescindirão da prévia autorização do MinC e não podem modificar o valor total do orçamento aprovado, conforme a Instrução Normativa nº 1/2013.
Fonte:
Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic)
Ministério da Cultura

O Boticário na Dança 2015 tem inscrições abertas

O Boticário na Dança lança o Edital 2015 de seleção de projetos de dança de todo o Brasil

 

Com objetivo de promover e valorizar a dança, o programa O Boticário na Dança lança o Edital 2015 de seleção de projetos de dança de todo o Brasil.

Serão aceitas propostas de festivais, mostras, espetáculos, manutenção de companhias e grupos, circulação, produção de vídeos, livros e periódicos, sites, cursos, workshops, oficinas, palestras, fóruns, exposição fotográfica, exibição de vídeos ou filmes.

Para apoiar a dança por todo o Brasil, O Boticário seleciona projetos por meio de um Edital. Confira as informações necessárias para fazer a inscrição de seu projeto.

A inscrição é gratuita e aberta a pessoas jurídicas de natureza artística e cultural (com ou sem fins lucrativos) e deverá ser efetuada exclusivamente por esta página, mediante o preenchimento de formulário.

o boticario na dança 3

Para efeito dessa edição, o Edital 2015 de O Boticário na Dança dará preferência a projetos que já tenham sido aprovados em leis de incentivo à cultura (Federal/MinC ou estaduais) ou que já estejam preparados para dar entrada na solicitação de aprovação do incentivo.

A análise de seleção dos projetos apresentados atenderá os seguintes critérios de avaliação:
a. Mérito intrínseco do projeto (perspectiva de contribuição ao enriquecimento sociocultural).
b. Concepção geral do projeto.
c. Currículo do proponente.
d. Viabilidade de execução (clareza dos objetivos propostos, adequação orçamentária e competência técnica da equipe envolvida).

o boticário na dança

O processo de seleção será realizado em três etapas:
1. Triagem administrativa/qualificação
2. Comissão de análise técnica externa
3. Comissão de análise técnica interna

Não serão objeto de patrocínio projetos apresentados por:
• Entidades político-partidárias
• Entidades religiosas

Mais informações em:

http://www.oboticarionadanca.com.br/inscricoes

Quer inscrever seu projeto neste edital, entre em contato conosco e a da Gaveta poderá ajudá-lo!

Plano Estadual de Cultura é sancionado hoje por Pezão

O Plano Estadual de Cultura será sancionado hoje pelo governador Pezão. A partir deste momento, todos os projetos ligados ao esporte e à cultura terão direito ao mesmo percentual na captação de recursos oriundos do ICMS.

Corcovado Mountain in the Sunset 3D render

 

Conforme o que será publicado no Diário Oficial, projetos que estimulem a intolerância racial ou religiosa e a discriminação de LGBTs não poderão usufruir do benefício fiscal; 1% da verba será destinada a atividades voltadas a pessoas com deficiência.

Porto Seguro recebe projetos entre 01 de setembro a 30 de outubro de 2015

Divulgando informações sobre o edital da Porto Seguro:

A Porto Seguro procura patrocinar e apoiar diversos tipos de projetos sociais e culturais, independentemente da exposição nos meios de comunicação ou da presença de nomes consagrados. A Política de Patrocínio da Porto Seguro é compreendida como uma ação de comunicação de relacionamento com o cliente, com o objetivo de oferecer benefícios de qualidade vinculados ao cumprimento da missão e valores da empresa. No intuito de descobrir e valorizar o potencial de novos talentos e promover a descentralização da cultura e a democratização da arte com qualidade. Para 2015, estamos focando nossas parcerias em peças teatrais e shows musicais, que tenham temporada pelo Brasil todo.

Período de inscrições: de 01 de setembro a 30 de outubro de 2015

 

estagio-porto-seguro-2011

Segmentos:

  • Artes Cênicas
  • Músicas

Diretrizes:

  • Vincular as ações de patrocínio e apoio à missão institucional da empresa e seus objetivos estratégicos
  • Descentralizar geograficamente a distribuição dos recursos de patrocínio e apoio, no âmbito do território nacional, tanto no aspecto da localização das entidades proponentes, quanto no do público beneficiário dos projetos e, sempre que possível, evitar concentração em determinadas regiões
  • Promover inovações, produções e divulgações tecnológicas, culturais e esportivas
  • Promover o desenvolvimento humano, a brasilidade e a auto-estima dos brasileiros
  • Promover a igualdade de gênero, a diversidade étnica e cultural
  • Promover a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável

Critérios e Seleção:

    • Projetos que sigam os segmentos acima citados
    • Localização e qualidade técnica do local (teatro, casa de show ou espaço cultural)
    • Criatividade e objetividade do projeto
    • Abrangência geográfica
    • Viabilidade do projeto
    • Compatibilidade entre custos e benefícios

    Não serão aceitos projetos que tenham:

    • Vínculo com empresas relacionadas direta ou indiretamente com os serviços oferecidos pela Corporação Porto Seguro
    • Ações que incitam violência, religião, drogas e sexo
    • Fora do prazo
    • Que não atendam aos critérios de seleção acima

    Solicitação de Patrocínio e Apoio Cultural

    A Porto Seguro patrocina projetos aprovados pela Lei nº. 8.313, mais conhecida como Lei Rouanet, que é uma lei brasileira para incentivar investimentos culturais, que pode ser usada por empresas e pessoas físicas que desejam financiar projetos culturais.

    Roteiro para elaboração de projetos:

    Apresentação

    Mostre, resumidamente, a essência do projeto. A apresentação é parte fundamental do projeto. Neste item, o patrocinador/apoiador deverá compreender de forma rápida a sua proposta.

    Justificativa

    Informe por que e para que implementar o projeto. Ressalte aqui o público beneficiado, local de atuação, relevância do projeto, contexto artístico em que se insere o projeto, indicando o que ele agrega à sociedade.

    Objetivos

    Descreva os principais objetivos a serem alcançados pelo projeto. O proponente deverá informar “o quê” pretende realizar de maneira clara e sucinta, além de descrever o que pretende atingir.

    Cronograma das Atividades

    Informe as atividades que você pretende desenvolver e os seus prazos. Relacione as principais atividades do projeto indicando o prazo para a realização de cada uma. Este item é de fundamental importância para o acompanhamento e a boa gestão do projeto.

    Temporada

    Informe as cidades e a previsão dos meses em que serão realizadas as temporadas e/ou turnês.

    Equipe

    Relacione a equipe técnica, elenco, autor e direção do projeto.

    Plano de Comunicação

    Explique, brevemente, como você pretende divulgar seu projeto. Deve estar previsto no projeto um plano de comunicação e divulgação (veiculação na mídia impressa e eletrônica, material gráfico para distribuição, assessoria de imprensa etc.).

    Cotas de Patrocínio e Apoio

    Se o seu projeto já possui cotas de apoio, coloque discriminando os benefícios oferecidos de forma clara. Deixe claro se os valores são negociáveis.

    Contato

    Especifique o nome do produtor, endereço, telefones e e-mail para contato.

    Como enviar o projeto?

    O formulário eletrônico estará disponível durante o período de inscrições que vai de 01 de setembro a 30 de outubro NO SITE DA PORTO SEGURO.

Caso queira inscrever seus projetos neste edital a partir de setembro, entre em contato com a DA GAVETA PRODUÇÕES e nós poderemos ajudá-lo prestando este serviço para você: tireseuprojeto@dagaveta.com.br