Os 9 erros que fazem seu projeto cultural parecer amador

Todo mundo sabe que “de ideias o mundo está cheio”, mas a verdade é que na hora de transformar esta ideia em um projeto cultural a coisa muda de figura.

 

É ai que grande parte dos artistas e produtores culturais emperram.

 

Ter uma ideia e defendê-la no gogó aos quatro ventos é LINDO… mas ao mesmo tempo, NÃO É NADA se você não tiver um projeto que possa ser inscrito em leis de incentivo e editais quando as oportunidades aparecem.

 

Você provavelmente já passou pela experiência de ter “aquela” ideia incrível (na cabeça) e de repente “aquela” empresa perfeita abre as inscrições para “aquele” edital dos sonhos.

 

Por um momento você fica muito feliz com a possibilidade de poder, finalmente, captar recursos para seu projeto.

 

Por outro lado, você abre o Word e tudo o que vê é uma página em branco, já que a ideia está toda na sua cabeça e não passou da fase do gogó.

 

Pra piorar, os dias que restam até o fim das inscrições passam em velocidade astronômica e você acaba conseguindo clicar no “enviar” literalmente nos minutos finais (não sem antes pedir ajuda ao Santo Protetor dos Produtores do Último Minuto).

 

Já passou por isso?

 

E assim, lá vai mais um projeto que saiu do gogó pras coxas em uma madrugada, porque você planejou escrevê-lo durante o dia e quando viu já eram três da manhã à base de pizza e coca-cola zero 1 litro.

 

pizza-926104_640

 

Quando sai o resultado do edital: é claro que ele não foi selecionado.

 

Confira aqui os 9 erros mais comuns que estão fazendo com que seu projeto pareça amador:

 student-849822_640

1. Você levou menos de 24 horas para elaborá-lo do início ao fim

 

Não importa quão talentoso você seja.

 

Elaborar um projeto inteiro, em um único dia, até é possível, mas para ter certeza de que ele ficou realmente bom, você precisa ao menos lê-lo, do início ao fim, mais uma vez no dia seguinte.

 

Dar um intervalo de tempo entre a primeira e segunda (no mínimo) leitura faz com que você perceba coisas que não notou anteriormente e permite que complemente partes que não ficaram claras.

 

Se puder dar seu projeto para outra pessoa lê-lo, melhor ainda.

 

Lembre-se que a ideia foi germinada na sua cabeça e, portanto, você tem tudo muito bem definido e claro.

 

Por outro lado, outras pessoas podem não compreender exatamente o que você quer dizer…

 

… principalmente seu possível patrocinador.

 

Por isso, escreva seu projeto com calma, deixe-o dormir e descansar antes de uma nova revisão e, peça o feedback de outras pessoas.

 

A cada nova leitura, ele certamente ficará ainda melhor.

 

 

2. Você pediu “emprestado” um proponente para inscrever seu projeto

building-919067_640

 

Eu sei que é chato dizer isso, mas se você não acredita em si mesmo, como quer que alguém acredite?

 

Eu sei também que abrir empresa é burocrático, gera custos, compromissos e, acima de tudo, precisa dar lucro.

 

Mas peraí, não é isso que você quer?

 

Então, por que, entra ano e sai ano, e você continua naquele desespero de pedir se o amigo do amigo conhece alguém que não está inscrevendo nenhum projeto no edital para pedir o CNPJ na última hora?

 

Você não empresta livro ou DVD porque sabe que nunca mais vão te devolver e quer que alguém te empreste um CNPJ?

 

E mesmo que você consiga um CNPJ de um amigo “parceiro” (porque tem que ser muito parceiro pra se emprestar uma empresa), você só tem três opções:

 

  1. Encaixar ao menos um dos sócios da empresa em seu projeto para garantir coerência.

 

  1. Ignorar essa tal de coerência e acreditar que ninguém vai reparar que os sócios da empresa não estão no projeto (sim, eles vão reparar).

 

  1. Inserir uma taxa de administração em seu orçamento acreditando que este é o preço que você está pagando por não ter uma empresa.

 

Contabilizou o prejuízo?

 

Então, que tal acabar de uma vez por todas com esse medo do CNPJ e assumir o controle de sua própria vida e de seus projetos?

 

3. Você elaborou um objetivo que não define o produto final resultante.

 

maze-2264_640

 

Seu objetivo tem introdução, desenvolvimento e conclusão. Está criativo, brilhante, reluzente.

 

Fala sobre questões profundas do ser humano, sobre o aprofundamento do processo criativo, sobre o papel do homem na sociedade de consumo, sobre a influência da tecnologia nas futuras gerações… mas, peraí!

 

Qual o produto final resultante?

 

Seu objetivo pode ser incrível, mas ele não será compreendido nem pelo patrocinador que está fazendo doutorado em Antropologia (por não estar feliz com sua carreira), se você não disser o que vai fazer. E de preferência no primeiro parágrafo!

 

Antes de colocar todo o seu lado artístico pra fora, lembre-se que isso é um projeto e não a sua execução nos palcos.

 

Seu objetivo tem que responder no primeiro parágrafo:

 

  • o que você quer fazer (uma peça de teatro, um livro, um filme…),
  • onde (no Rio de Janeiro, na internet, no Pelourinho…),
  • quando (ano que vem, no próximo semestre, em setembro…),
  • por quanto tempo (10 apresentações, durante um mês, todo sábado e domingo de maio)
  • e quantas pessoas irá atingir (1000 espectadores, uma tiragem de 2000 DVDs, 50 pessoas…).

 

Depois disso, fique à vontade pra colocar todos os seus parágrafos artísticos pra fora, ok?

 

Em nosso curso sobre Elaboração de Projetos Culturais Simplificada temos uma aula exclusiva sobre elaboração de objetivos de projetos.

 

Dá só uma olhada, se te interessar…

 

 

4. Você “criou” alguns novos parágrafos quando viu que o limite de caracteres do formulário era grande.

 typewriter-801921_640

 

Sua justificativa está impecável e responde aos critérios do edital.

 

Você colocou todas as informações pertinentes e necessárias com um vocabulário claro e direto ao ponto.

 

Está realmente satisfeito com o que escreveu.

 

Mas aí, antes de passar para o próximo campo, percebe lá no ladinho do retângulo da justificativa, o contador de caracteres.

 

Maldito contador, sempre atrapalhando…

 

Você colocou apenas 500 caracteres (marcado em vermelho) em um campo que permite 3500!!!

 

E pensa: tem alguma coisa errada com a minha justificativa!!!

 

Pronto, o cérebro recebeu o recado e, na hora, aciona o “Embromation Center”que rapidamente entra em ação.

 

E lá vai você construindo parágrafos com um talento digno de ganhar o Oscar de Melhores Frases Sem Sentido.

 

Pare imediatamente!

 

Entenda que cada projeto é desenvolvido de uma forma diferente e conta com conteúdos variados.

 

Se você fez uma boa justificativa em 500 caracteres, deixe os 3000 que sobraram para projetos que precisam dele! E fique feliz com seus 500.

 

Entenda que não há nenhum problema (pelo contrário) em ser coerente com seu projeto, dentro do limite de caracteres que for necessário!

 

5. A sua ficha técnica mais parece um selfie: só dá você!

selfie-931908_640

Das duas uma…

 

Ou você sonha em trabalhar com aquele diretor fodarástico e com aquela atriz famosa, mas tem medo de fazer o convite…

 

Ou você simplesmente não acredita que ninguém mais além de você é capaz de assumir todas as funções do seu projeto.

 

No primeiro caso, vamos combinar… o “não” você já tem, certo?

 

Que mal há pedir em uma rede social, pra algum amigo em comum, o email ou telefone do tal diretor e da tal atriz e enviar uma proposta de trabalho pra eles?

 

Vamos combinar que sem trabalho nem a atriz paga as contas, certo?

 

E tirando uma ou outra, a maioria não morde!

 

O que você precisa entender é que grande parte dos artistas já está acostumado a receber uma proposta de projeto que pode ou não acontecer… que pode se realizar esse ano ou em 2025. Simples assim.

 

Você não está sozinho nessa!

Faça o convite, envie seu projeto e o máximo que vai acontecer é receber um agradecimento educado (ou nenhum). E vamos combinar que isso não vai mudar a sua vida.

 

No segundo caso: sério, você pode ser realmente incrível. Quem sou eu pra duvidar. Mas você acha mesmo que uma andorinha só faz verão?

 

Você não acha que tem muito mais a contribuir com o seu projeto se tiver outras pessoas com quem compartilhar todo este talento, ainda tendo o talento de outros a agregar?

 

E mais… já pensou se você não dá conta?

 

Pra completar, agregar currículos de profissionais de valor ao seu projeto, naturalmente, gera valor para ele e passa a ideia de profissionalismo.

 

Bora deixar o selfie pro Instagram e fazer o dream team dos sonhos no seu projeto cultural?

 

6. Você tinha feito um PDF incrível do seu projeto, mas não conseguiu dar o upload porque o sistema travou.

 

code-944504_640

 

Sim, todos os artistas mortais já passaram por isso.

 

É aquele famoso momento em que a tecnologia resolve acabar com você e te deixa lá… olhando 30 minutos pro loading enquanto come a última fatia de pizza (que nestas horas é sempre horrível) até desistir.

 

É claro que seu PDF tem seu valor, mas você precisa ter atenção ao seu peso já que 99,9% das leis e editais têm limite de capacidade e problemas de tecnologia.

 

Principalmente nos últimos dias!

 

Então, três pequenos conselhos pra tomar pra vida!

 

  1. Tenha atenção ao peso de seus projetos. Não é porque o gmail aceita até 25MB que o mundo é perfeito. Se não conseguir fazer isso sozinho, peça ajuda. O mundo ainda está cheio de pessoas amorosas prontas para ajudar pessoas como nós.

 

  1. Pense em alternativas. Hoje em dia com GoogleDrive, Dropbox, SlideShare, Issuu e outros, por que não dar o upload de seu projeto em outras ferramentas e simplesmente disponibilizar seu link em leis e editais? Mesmo que não haja um campo para isso, você pode colocar este link em objetivos ou sinopse, explicando do que se trata.

 

  1. Por último, o conselho mais fofo do dia: PROMETA QUE NUNCA MAIS VAI INSCREVER UM PROJETO EM UMA LEI OU EDITAL NO ÚLTIMO DIA!

 

Se você quiser conhecer nosso template de projeto de captação com instruções sobre como elaborar contrapartidas, é só acessar nossa LOJINHA.

 

7. Você aproveitou alguns textos de um outro edital e acabou não trocando o nome do patrocinador anterior.

 

wrong-way-429723_640 

 

Triste, mas acontece com os melhores artistas.

 

Você acabou de enviar o formulário para o edital dos Correios e quando olha o PDF final, está oferecendo as contrapartidas de mídia para a Petrobrás.

 

Não tem volta.

 

Finge que foi erro de digitação (?) e faz cara de poesia pra ver se passa.

 

Não passa!

 

Se você não teve cuidado na elaboração do seu projeto, pode ter certeza que o patrocinador vai acreditar que você fará o mesmo na hora de liberar as artes com a logo errada pra gráfica.

 

Como evitar?

 

De novo: não fazendo tudo em cima da hora, deixando o projeto dormir para a segunda revisão e pedindo para que outras pessoas façam a leitura pra você.

 

Capisce?

 

Estes são apenas alguns dos diversos erros que cometemos quando elaboramos um projeto com pressa e sem planejamento.

 

Se você realmente acredita em sua ideia, quer transformá-la em um produto cultural completo e bem feito e principalmente colocá-la no mundo (e viver dela!), você precisa se dedicar.

 

É preciso ter atenção especial para cada etapa de elaboração.

 

Ter um projeto bem desenvolvido não é um bicho de sete cabeças, mas leva tempo, atenção e dedicação.

 

8. Você tem a sensação de que há itens importantes que não foram colocados em seu orçamento

 

piggy-bank-968302_1920

 

Não adianta.

 

Orçamento é prática… quanto mais você faz, mais você aprende.

 

O primeiro é um parto, mas depois a dor vai diminuindo.

 

Só que aquela sensação de que “está faltando alguma coisa” nos persegue.

 

Para isso não acontecer, o ideal é:

  • listar tudo o que é fundamental para seu projeto acontecer.
  • buscar projetos semelhantes ou templates prontos de orçamentos.
  • pedir o apoio de outros profissionais no momento da revisão.
  • ler e reler seu orçamento diversas vezes.
  • praticar!

 

Ter um orçamento bem feito não é um bicho de sete cabeças e precisa muito mais de foco e determinação do que qualquer outra coisa.

 

9. Você acha que cometeu algum erro grave no momento em que calculou os impostos do seu projeto cultural

accounting-761599_640

 

 

Já saiu com um contador pra um choppinho?

 

É só ele começar a falar de impostos que nossa cabeça de produtor pira.

 

Se você ainda tem receios de estar errando nos impostos do seu projeto, não tem jeito.

 

Você precisa buscar conteúdo simplificado, estudar e entender para não errar.

Pronto para começar um projeto perfeito?

 

Se você tem ideias maravilhosas que ainda não foram elaboradas ou que ainda estão na fase do gogó, não deixe para elaborar seu projeto cultural apenas quando as inscrições do edital forem abertas.

E quando surgir a oportunidade, você já terá tudo pronto para arrasar em sua inscrição, sem pressa, sem trauma e sem pizza com coca cola zero!

 

Se quiser uma dica ainda mais bacana, dá só uma olhada neste vídeo e veja se não chegou a hora de se dedicar a elaboração de projetos culturais simplificada.

E boa sorte com suas ideias!

 

Chega de se descabelar para elaborar projetos contra o relógio...